fortalecer a mente

Como fortalecer o seu cérebro e evitar doenças com exercícios simples

Os últimos anos foram incrivelmente desafiadores para todos. A pandemia da Covid-19 não apenas modificou as atividades diárias da população mundial, mas impactou o equilíbrio mental de muitos. 

De acordo com um resumo científico divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a prevalência global de ansiedade e depressão aumentou em 25% desde o início da pandemia. Outro ponto fundamental é sobre o crescimento de casos de doenças cognitivas e a tendência mundial de continuarem subindo.

Apesar de assustadores, os dados acima não estão presentes para colocar medo em leitores, são destacados como um incentivo para você se dedicar a exercícios que fortaleçam o seu cérebro. Uma simples mudança de hábitos do cotidiano pode turbinar o seu cérebro; um revigoramento que vai prevenir problemas posteriores e te auxiliar em demandas profissionais e sociais.

1- Uma dieta saudável e equilibrada

dieta saudável

 

As escolhas alimentares no dia a dia são o primeiro passo para o bom funcionamento do cérebro humano e a estabilidade dessa condição durante o dia. 

O importante é ter uma dieta balanceada e rica em antioxidantes, componentes que combatem os radicais livres que se acumulam no seu cérebro ao longo da vida. Radicais livres são moléculas liberadas pelo metabolismo do corpo com elétrons altamente instáveis e reativos, que podem causar doenças degenerativas. Alimentos com tais funções são legumes, frutas e vegetais.

Alguns suplementos alimentares também são boas indicações para otimizar o poder da mente. Compostos que reúnem os principais ativos aliados da memória e concentração são bem-vindos à dieta.

2- Exercícios físicos

exercícios

 

Se adotar uma dieta saudável ajuda o cérebro a potencializar desempenhos cognitivos e evita doenças, imagine como o complemento de atividades físicas poderia auxiliar nesse processo.

As opções são diversas, ou seja, a probabilidade de você achar algo que te interessa e não apenas fazer isso por obrigação é grande. Natação, corrida, futebol, ciclismo, musculação e caminhadas são todos exemplos de atividades que estimulam o seu coração e cérebro.

O desenvolvimento de uma vida ativa é imprescindível, visto que existem múltiplos estudos que comprovam o relacionamento entre o sedentarismo e um declínio cognitivo mais rápido e o aumento do risco de demência. Quando entendemos que o funcionamento do cérebro é diretamente relacionado à eficiência e saúde de todos os outros sistemas, percebemos a importância da movimentação e entrada de oxigênio no corpo. Quanto melhor a performance do sistema circulatório, melhor o desempenho cerebral.

3- Pensamento positivo

pensamento positivo

 

Não, isso não é um clichê de filmes de Hollywood. Possuir uma perspectiva e personalidade positiva para a vida pode ter um efeito real na sua saúde cognitiva. Segundo a neurociência, quanto mais alguém cria a expectativa de se tornar um idoso dependente e lento, maior as chances de condições reais como a demência se concretizarem.

Pesquisas recentes observaram que o cultivo de um olhar e pensamentos positivos impactam a saúde neuronal e outras funções cerebrais. Portanto, de agora em diante, pense no “copo meio cheio”.


4- O desenvolvimento de uma reserva cognitiva

reserva cognitiva

 

A reserva cognitiva é um conceito neuropsicológico que detalha a habilidade das estruturas cerebrais em responder à perda de capacidades ou às transformações negativas nesse órgão. 

Uma alta reserva cognitiva pode significar o mantimento de funções cognitivas básicas até em seres humanos que demonstram indicadores de demência e Alzheimer. Para exercitar o cérebro e criar tal reserva, diversas atividades estão disponíveis, como a leitura diária, quebra-cabeças, viagens, aprendizado de novos idiomas e a montagem de quebra-cabeças.

5- Amizades

amizades

 

O mantimento de um círculo de amizades e uma rede de contatos é extremamente importante para o fortalecimento mental. A sanidade dos seres humanos depende desse contato, e após dois anos de lockdowns e um distanciamento social, o contato humano é mais valioso do que nunca.

Segundo um estudo científico publicado na revista Ageing Research Reviews, “pessoas com menor nível de participação social, contato social menos frequente e mais sentimentos de solidão têm um risco aumentado de desenvolver demência”. As interações amigáveis e divertidas são a base da motivação de um indivíduo, é o que empodera alguém a se levantar da cama e conquistar objetivos.

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.